“Ouviu o galo cantar mas não sabe onde”. Como a habilidade de fazer diagnóstico afeta você, seu serviço do bem e  vida do seu cliente

Início/Blog/Serviços do Bem/“Ouviu o galo cantar mas não sabe onde”. Como a habilidade de fazer diagnóstico afeta você, seu serviço do bem e  vida do seu cliente

“Ouviu o galo cantar mas não sabe onde”.

Como a habilidade de fazer diagnósticos precisos afeta você, seu serviço do bem e  vida do seu cliente

 

Galo na floresta

Galo na floresta

Todos nós em maior ou menor grau ajudamos as pessoas a resolver ou minimizar seus problemas através de serviços e produtos que oferecemos.

Isso se aplica aos mais diferentes contextos: pode ser que você seja um terapeuta, ou dê aulas de Yoga,  ou vende  algum software, ou você oferece serviços de veterinária ou até mesmo, você fabrica móveis artesanais.

As relações de ajuda,  permeiam os mais variados contextos e neles participamos como consumidores, cidadãos ou profissionais que apontam soluções para determinado problema.

Seu cliente compra de você por alguma razão. Para saciar algum desejo, aliviar ou  minimizar algum problema ou dor.  Seu cliente está numa posição em que ele precisa ser ajudado para que se  resolva esse incômodo que provoca “dores” .

Nessa interação, para que  alguma solução possa ser encaminhada é preciso que haja um diagnóstico que evidencie as possíveis razões da ocorrência do problema, da dor. É preciso escutar o contexto,  levantar hipóteses, construir uma “paisagem” que nos ajude a entender o que está acontecendo e os motivos (as vezes ocultos) que geram o problema.

Acontece que essa tarefa não é tão simples assim: observa-se uma grande dificuldade dos profissionais  de fazer um diagnóstico preciso.

E nesse momento, como profissionais,  nosso conhecimento e experiência vão fazer como que tenhamos um ponto de vista  ou outro.

Um ponto de vista é apenas a vista de um ponto

Essa visão sobre  o diagnóstico encaminha uma determinada forma para tratarmos os problemas, com determinada solução.

O “como” as coisas são feitas é tão ou mais  importante do que o que é feito. O “como” diz  muito sobre o modo de fazer algum processo. O “como  se faz o que se faz” diz muito sobre a visão que tem o profissional.

Nesse vídeo você vai :

  • Entender quais são as dificuldades de se fazer diagnósticos e como isso afeta você, seu trabalho e a vida do seu cliente.
  • Entender a diferença entre sintoma e problema e como isso pode mudar radicalmente, a sua forma de trabalho com seus clientes e até mesmo, a forma como você escolhe  para tratar seus problemas pessoais.
  • Conhecer os efeitos do “olhar integral” aplicado a casos reais de sucesso.
  • Casos que tinham tudo para dar certo, mas……. deram errado quando informações importantes foram desconsideradas.
  • Descobrir e reconhecer diferentes  modos como você tem ajudado a resolver  ou amenizar  problemas de seu cliente e o quê esse modo pode dizer sobre você.
  • Como você tem ajudado ou não a desenvolver a habilidade de diagnóstico com seu cliente.

Veja o vídeo e depois tente responder as seguintes perguntas:

  • O seu trabalho tem ajudado seus clientes a resolver os sintomas ou os problemas?
  • E em sua vida pessoal ? É assim que você age também?

 

E aí? Como esse conteúdo foi útil pra você?

Compartilhe seu  “olhar” e as reflexões suscitadas. Converse com uma amiga e  fique à vontade para registrar sua opinião.

Agradeço!

Ana Charnizon

Ah!

  • Você pode gostar também desse texto:
  • Um texto sobre erros que autônomos e profissionais  liberais do campo holístico, ‘verde’, criativo  cometem ao criar e divulgar seus serviços.  Eis aqui um diagnóstico sobre esses erros mais comuns e também os mais fatais. Entenda como você pode fazer diferente !

Tropeços que profissionais liberais, do campo criativo, holístico, artístico e social cometem ao criar e divulgar seus produtos e serviços do bem

#servicosdobem #educacaoharmonica

www.educacaoharmonica.com.br

2018-03-07T02:23:15+00:00