PAPAI NOEL EXISTE?

Início/Blog/Serviços do Bem/PAPAI NOEL EXISTE?

PARA CRESCER É PRECISO EXPANDIR E PARA EXPANDIR É PRECISO ROMPER

Cuidado. Esse post traz revelações que podem abalar suas crenças, principalmente com a revelação que tenho a fazer ao final.Então vamos combinar que não vale pular o texto para espiar o final do post, ok?       (Claro que você pensou nisso, tudo bem!).

Prometo que ao final, você vai receber um convite e um pequeno presente.  Algo singelo, mas especial. A parte boa é que essa breve  história e relato pessoal que compartilho podem ampliar suas referências e fazer com que você  ressignifique  o modo como você olha, celebra ou não  o “Natal”.

HISTÓRIAS DE NATAL

Um dia desses recebi em minha casa, um casal de amigos com dois filhos pequenos ( de 4 e 5 anos de idade). De repente, me deparei com a seguinte cena: o caçula cochicha uma pergunta nos ouvidos do pai, que por sua vez, dá um longo suspiro e responde:

“-Filho eu acho que seu coleguinha da escola  está com as ideias emboladas. Eu acho que o Papai Noel não existe não”.


NATAL: CELEBRAMOS O QUÊ MESMO?

É um desafio para quem tem crianças pequenas responder essa pergunta, pois ela envolve tantas questões que passam pela história, religião e fantasia, certo?

A cena pode ficar bem confusa uma vez que em algumas culturas essa celebração cheia de luzinhas coloridas, pisca piscas,  árvore com bonequinhos e presentes são consideradas exclusivamente como uma festa cristã e portanto não “pode” ou “deve”  ser comemorada em certas religiões.

RELATO PESSOAL 

Tenho ascendência judaica. E cresci ouvindo a pergunta: Ana, mas sua família comemora Natal ?Em alto e bom som, como diz meu pai, eu sempre respondi e continuo respondendo :- ) Sim. Comemoramos natal todos os anos!

1) Porque minha família sempre valorizou o encontro, a reunião de pessoas queridas e a celebração coletiva! Toda celebração sempre foi muito bem vinda!

2)Meu pai tinha uma loja de brinquedo e as vendas do Natal garantiam boa parte do leitinho das crianças ao longo do ano. Então, o natal era uma época importante, um pouco tensa sim e de muito, mas muuuuito trabalho.  Em alguns anos a gente comemorava mesmo as vendas da loja! Em outros anos não tão bons em vendas, a gente comemorava  mesmo a possibilidade em estarmos todos juntos.

Natal

3) Eu adorava o clima  e o movimento do Natal em casa:  os móveis na sala sempre rearranjados, os movimentos de  limpeza  especial da casa, a confusão e cheiros deliciosos que saiam da cozinha, a generosidade de minha mãe preparando bolos, bombons, biscoitos, strudel e todas as coisas deliciosas para cada pessoa da família e para os funcionários da loja.

E por último a tarefa que era dada a mim: a montagem da árvore com as luzinhas e muitos enfeites pequeninos.

Fui crescendo e apurando o paladar e hoje o Natal continua sendo tudo isso e hoje posso ainda acrescentar mais uma coisa:

4)  A mesa da celebração sempre muito linda e com alimentos que minha mãe só prepara nessa ocasião, por exemplo, o pure de damasco. Oh céus, aquilo sim é o paraíso. Nem adianta pedirmos pra ela fazer em outra data.  Só tem no natal.

Com todas as memórias  tão sensoriais sempre tive a estranha a sensação que me levava a perguntar:

Como não comemorar o natal?

Interessante notar que por trás dessa pergunta, acompanhava também um certo incômodo:

Como uma família judia pode comemorar o natal?


CORAGEM PARA TECER NOVAS REFERÊNCIAS: 

RESSIGNIFICANDO O OLHAR SOBRE O NATAL

Aos 29 anos ao conhecer um pouco mais sobre mitologia pude ampliar um pouco mais sobre  essa comemoração natalina. Comecei pelas obras do Joseph Campbell ( O  Poder do Mito e os demais livros dele).

Naquela época percebi que  é muito presente em culturas que antecederam o cristianismo  mitos com deuses que marcam a data de seu nascimento perto do solstício de inverno. Mas por que culturas tão diferentes  sinalizam um mesmo ponto? Pois todas elas tem a referência nos ciclos da natureza. O “ponto de encontro” de todas essas culturas gira em torno do Solstício de Inverno (no hemisfério norte), o ciclo marcado pelo o inverno rigoroso que parece extinguir a vida.

Uma das características do mito solar, é o próprio ciclo do Sol que nasce, morre, renasce. Giramos em torno dos mitos solares- do retorno da luz e assim do renascimento à vida. O retorno do sol faz ressuscitar a vida e traz em seus raios a promessa da volta das colheitas. Na foto ao lado, vemos a lebre como representação do renascimento.

E assim, o mito do deus sol salvador da humanidade aparece em várias culturas dentre elas o natal cristão que é uma adaptação dos antigos cultos pré-cristãos de povos europeus e do Oriente Próximo.


NATAL: RUPTURAS E CONTINUIDADES E MUITO SINCRETISMO CULTURAL

Lembre dos elementos da ceia de natal: os alimentos típicos são o porco e o peru, frutas secas e castanhas, associados ao inverno. “A Árvore de natal com suas luzes é um pedido para que o sol retorne trazendo a primavera e o fim do inverno, Papai Noel de cristão não tem nada e a própria cena da natividade, com Cristo nascendo numa caverna, é um eco do mito de Mithras…” (Crow, Cláudio)


 Mas…..E o papai noel ?

Reza a lenda que o bom velhinho chama-se Nicolau de Bari ou Nicolau de Mira.

A generosidade a ele atribuída granjeou-lhe  reputação de mágico milagreiro e distribuidor de presentes.

Filho de família abastada, doou seus bens para os pobres e desamparados.

Entretanto, tecia um grande amor pelas crianças e foi através delas que sua lenda se popularizou e que Nicolau acabou canonizado no coração de todas as pessoas.

 

 


POR FIM……

A UNIVERSALIDADE DA FESTA

Velas de Natal

Velas de Natal

Fui percebendo como estamos todos no mundo comemorando o ciclo. Não importa qual é o seu “religio“. Estamos todos comemorando o festival da luz  (nós do hemisfério sul vivenciando o pico da luz com o verão e o hemisfério norte o retorno da vida, com o retorno do sol.

Todos nós vivenciamos os ciclos, internos e externos da natureza.

Temos chance de reacender nossa chama interna para continuar nossa caminhada. Celebrar a colheita.  Celebrar o que foi tecido, aprendido. Celebrar também o que não se tem ou o que não foi alcançado, pois esse material aduba a jornada.


As respostas literais não nos ajudam, os mitos sim.

A literatura nos ajuda a seguir em frente, a ritualizar e sintonizar com os ciclos da vida e da natureza.

Os mitos nos ajudam em nossa jornada do pertencimento a nós mesmos e ao senso de pertencer à comunidade.


MAS…

Mas se você quer saber mesmo se papai noel existe: Eu tenho uma resposta bem literal pra você. Aqui vai a revelação:  Deixemos de lado essa ânsia de responder se papai noel existe, pois…..

Ele existe sim! Tem 81 anos e é meu pai. Papai Noel além de tudo é mineiro  e tinha a Rei dos Brinquedos: a loja de brinquedos mais querida da cidade (Belo Horizonte).

Concurso da melhor composição para concorrer a esse carrinho da Gurgel!


Compartilhemos sim os mitos e as histórias! Elas sim podem nos ajudar!

Desejo a você uma linda celebração de solstício! Que seu próximo ciclo seja repleto de coisas boas e bonitas!

Ana Charnizon (filha do papai noel)


P.S 1     E  A PARTE DO PRESENTE SINGELO?

Oh! Sim! Eis aqui! Depois desse textão seria bom ajudar-lhe na preparação dessa celebração do solstício! Veja aqui  pequenos mimos para você  mesmo fazer e enfeitar sua casa honrando esse espaço de nutrição que é o lar.

Mimos para Natal

P.S.2  TEM MAIS PRESENTE.

Compartilho aqui um poema para deixar sua celebração ainda mais leve e linda.

P.S.3 E O CONVITE ?

Eis aqui. Um convite especial. Eu estarei celebrando os 7 anos de Educação Harmônica no dia 2 de dezembro de 2017. Celebrar o ciclo! E olha que nesses  7 anos de existência da Educação Harmônica temos muito a celebrar! Mais de 4000 pessoas interagiram conosco e realizamos muitas coisas bacanas!

Na Educação Harmônica valorizamos os momentos vividos com prazer e alegria, com pessoas queridas e do Bem e por isso criamos um dia para compartilhar os talentos da TEIA em forma de EXPERIÊNCIAS TRANSFORMADORAS e uma feira com produtos lindos !

 

INSCREVA-SE 

INFORMAÇÕES COMPLETAS 

https://doity.com.br/teia-feira-de-produtos-e-experiencias-…

Aguardo, com alegria, você na TEIA

Ana Charnizon


SOBRE OS SERVIÇOS DO BEM:

SERVIÇOS DO BEM- é um núcleo da Educação Harmônica que ajuda você a tecer sustentabilidade e rentabilidade para viver fazendo o que ama com o seu serviço do bem, através de processos com conhecimentos acessíveis de negócios aliados a uma visão integral e holística!

http://educacaoharmonica.com.br/servicos-do-bem/


A EDUCAÇÃO HARMÔNICA

Ana Charnizon e Eugênia Corrêa tecem, há 7 anos, o trabalho com a Educação Harmônica e acreditam que a transformação na vida acontece quando, ao reconhecer sua singularidade, o individuo se conecta com os conteúdos e experiências que o nutrem no mundo.

Assim, conectando o “interno e externo”, a Educação Harmônica cria e conduz processos de auto desenvolvimento e capacitação de indivíduos e pequenos serviços do bem numa ambiência acolhedora. Com isso, promove a ampliação de referências, o tecer das relações equilibradas e mais saudáveis consigo, com o outro e com o todo e o alcance de novos patamares.

2017-11-28T21:48:10+00:00